Por que não se deve utilizar dois ou mais antivírus?


O Baixaki desvenda o mito de se utilizar mais de uma ferramenta de segurança para aumentar as defesas do seu computador.





Por Felipe Vieira Karas

É comum ouvir pessoas dizendo “pô, estou com dois antivírus instalados lá em casa e mesmo assim meu computador foi contaminado”. Infelizmente a quantidade de antivírus não determina o nível de proteção de um computador. Na grande maioria das vezes, o resultado surtido é inverso do pretendido: ao invés de proteger mais o computador, este fica ainda mais vulnerável. Mas por que isso acontece?

Primeiramente devemos ressaltar que estamos tratando exclusivamente de softwares antivírus, tais como Avast!, Norton AntiVirus e Kaspersky Anti-Virus. Aplicativos destinados ao combate de spywares, adwares, entre outras pragas, costumam servir de ótimos complementos para os primeiros.

Utilizar mais de um software antivírus não é necessariamente um problema, mas sempre será medida ineficaz no combate aos vírus. Na melhor das hipóteses, pode ocorrer de um aplicativo deixar algumas ameaças passarem batidas e o outro interceptá-las — isso é raro, mas pode acontecer. Sendo assim, seu computador estará um pouco mais protegido, já que teoricamente um antivírus está complementando o outro. Mas agora veja os pontos críticos desta prática:

Consumo de recursos do sistema

Para manter seu computador protegido em tempo real, os softwares antivírus iniciam serviços em segundo plano automaticamente com o Windows. Comumente, eles são responsáveis pelo consumo de uma parcela generosa de recursos — memória e processamento. Se mais de um software antivírus estiver em execução, mais serviços estarão trabalhando em segundo plano e sua máquina terá o desempenho notavelmente afetado.

Incompatibilidade entre aplicativos

Uma situação comum no uso de dois ou mais softwares antivírus no computador é o desentendimento entre ambos os aplicativos. Isso acontece porque cada desenvolvedor projeta seus programas para trabalharem de maneiras diferentes. Sendo assim, é comum ver softwares antivírus detectando ameaças colocadas em quarentena pelo outro e vice-versa. Outro fato que costuma ocorrer é o ato da interceptação de uma ameaça em que os dois softwares a detectam. Como ambas as ferramentas bloqueiam o arquivo malicioso, por vezes torna-se impossível removê-lo. Um impossibilita a ação do outro.

Devido a esses problemas, muitos softwares hoje trazem mecanismos em seus instaladores que detectam a presença de outros aplicativos conflitantes, impossibilitando a instalação até que o(s) outro(s) softwares sejam desinstalados da máquina.

Em suma: as chances de você ter a proteção da sua máquina prejudicada são muito maiores do que tê-la aprimorada. O interessante mesmo é combinar aplicativos que se complementam, que desempenhem funções específicas. E o mais importante: utilizar o computador com cautela, procurar navegar em sites confiáveis e manter seus programas sempre atualizados.

Fonte: Baixaki

Veja também:

Dicas para complementar a segurança do seu antivírus

Escolhendo programas que iniciam com o PC




1 comentários:

RicardoBR disse...

Ola

Este post está bastante conclusivo em relação a não utilização de mais que um antivírus em simultâneo.

Neste caso é:
um é bom, dois atrapalha, três é horror!

RicardoBR
tutoriais

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Feed Orkut Fórum Facebook Twitter
 

Copyright © Caixa de dicas | Política de Privacidade | Todos os direitos reservados |